22 de setembro de 2007

Não sentir medo.
Dor? Solidão?

“Você não tem problemas Pri, sua vida é tão fácil.”
"Você fala tão bem."
"Ah, você tem tempo."
" Ah, que besteira, Pri! Esquece isso! É loucura."
"Troca de roupa, muda esse cabelo... Abraaa beeem a booocaaa ao conversaaar!"
" Senta direito, menina!"

Não sinto Saudade.
Nenhuma dor de barriga, ou choro no quarto em noites escuras de morte...
Não me apaixono por caras errados. Aliás, nunca amei, são "paixonites agudas, frescura, bobeira"
Nunca precisei de companhia. Isso só acontece com os outros.

Não sentir medo?
(...)
Cansei.

Receber ordens em minha vida, em minhas escolhas.
Exausta por não ser adequada, educada, bem-comportada!
Pagar caro por cada sonho colorido, cada passo atravessado. Tropeços e quedas também são meus! Só eu que não posso errar?
Furam meu balão e dizem:
- Bom humor inapropriado! Errado! Errado!
Minhas piadas tortas num mundo que parece me querer triste.
E quando mais preciso...
- "Tenho que desligar, tenho que ir, não tenho tempo!"

Pegarei o primeiro barco, fugirei para primeira ilha deserta, só minha. Asas e vôo e ares distantes! Sim, egoisticamente só!
Aqui, com vocês, antes de mim cada ser humano dessa terra. Minha felicidade é demais. É do avesso.
Então, decidi correr pra longe. Não SER sozinha, mas ESTAR sozinha.

- E tem que ser AGORA.

Nenhum comentário:

type='text/javascript'/>