28 de julho de 2017

Para o menino d’água.

Foi dolorido demais ver sua outra face afundando todo encantamento. Submarino meu,visitou o obscuro da sua persona pra dizer: “Flutua em direção à luz? Porque as trevas te roubam pra longe de mim. Daí, se no 'the end' a gente ficar, no vaivém líquido dessa existência, 
- Cê me ensina nadar?"
Nesse acontecimento terra e água repleto de abundancias, nosso riso fertilizará o mundo.
Agora é hora: cuida das minhas conchinhas e cuidado pra não quebrar tudo outra vez (você vai quebrar tudo outra vez, não vai?);
Eu te amo – incrivelmente - mesmo assim.
type='text/javascript'/>