5 de dezembro de 2019

Sobre o eterno retorno

Desenha um coração na contracapa do meu livro? 
Quero me apaixonar antes do final dos tempos. 
Pois só amor me arrasta pra dentro e fora de mim mesma. 
O que eu vivi nesses últimos dias foi sobre separação. 
A dor me ensinou muitas coisas. 
Mas agora estou aqui, oferecendo minha contracapa pra você 
Justamente porque aprendi muitas coisas. 
Tenho avessos terríveis, 
(Quem não tem?) 
Mesmo assim ainda vale explorar o universo alheio. 
Também tem o lance do final dos tempos que acrescenta um caráter urgente tão 
“Cantada barata” 
Porém eficaz. 
Ah, quer saber? 
Eu topo tudo de novo. 
E você?

7 de novembro de 2019

A ceia

Sonhei contigo, 
Mas achei a realidade mais onírica 
Do que o devaneio realístico da minha mente. 
É minha nova habilidade para concretizar amor. 
Por isso, vem pra perto ainda hoje na ceia sagrada que te proponho: 
Serei pão e vinho materializados, 
Porque nem minha carne, nem meu sangue carecem alegorias. 
Só afeto
E tesão. 

 (Registro aqui a beleza corpórea do nosso enlace)

O brinde

Quero reencontrar minhas vulnerabilidades
como velhas conhecidas na mesa do bar: 
- Oi, vocês cresceram! 
- Pois é, estamos cada dia mais frágeis, olha aqui essas feridas, 
essa poesia irremediável, 
essa pressa de ser feliz.
Então pedirei:
- Uma dose, por favor, para o brinde dos sobreviventes!

23 de outubro de 2019

Arrumação

Cada sentimento em um pote colorido.
Estou organizando meu mundo interior. 
Carência sempre fica no frasco maior 
Sem nunca preencher o vidro. 
Quando a visita chegar, quero estar presente. 
Estou faminta por compartilhar a minha vida. 
Meu ofício: catalogar coisas que doem e brilham, 
Sabendo que as primeiras lotam mais prateleiras que as últimas. 
Sabendo que as últimas iluminam a casa toda! 
É quando tudo, inexplicavelmente, encontra seu lugar.
Escrever é codificar arquivos invisíveis.

17 de setembro de 2019

Sobre banners e fichas que caem de repente

Cena: loja de departamento. 
Eu com uma mochila gigante nas costas, saindo, duas pessoas entrando na tal loja, recuo rapidamente para esquerda, mais pra não ser atropelada, menos por gentileza. A bolsa bate no cavalete que cai estrondosamente com o banner da coleção primavera-verão. 
Silêncio. 
Agacho desajeitada e roxa de vergonha. Um mocinho uniformizado vem solícito. Entro em modo automático: 
- Moço, desculpa, eu sou um DESASTRE. 
Ele se agacha pra ajudar: - Imagina, moça! 
Mas penso, numa fração de segundo e conserto: 
- Não. Não sou um desastre. Tô tentando fazer o melhor que eu posso. 
Silêncio. 
Ele sorri estranho, me achando louca da cabeça e possivelmente uma pessoa violenta. Saí saltitante com minha resposta. Levou tempo para conseguir dizê-la. 
Autoestima também se constrói em shopping centers.

4 de setembro de 2019

Insistência

Daí seu dia foi ruim. 
Seu crush está namorando. 
Você perdeu o ônibus. 
Seu corpo dói de tanta canseira. 
O dinheiro sempre acaba antes do sonho. 
Mas teve uma pomba no caminho. 
No fim da tarde bateu um vento no rosto. 
Sua aluna aprendeu aquela tarefa que você passou há uma semana. 
Tentarei mais uma vez amanhã. 
Estou nessa de não desistir há trinta e três anos. 
Conheci uma senhora de oitenta. 
Ela brinca disso há mais tempo que eu. 
Ela viu mais pombas, ventos e crianças do que eu. 
Acho bonito quem possui essas riquezas no corpo. 
Desejo para minha velhinha futura muita insistência nessa vida.

11 de agosto de 2019

Auto-autoajuda

Ando criando mais dias bons que ruins, 
Mas os bons não são tão bons 
E os ruins são de matar. 
Esse registro é para a mulher do futuro saber: 
A expectativa azeda o sabor da comida, 
É preciso fome para temperar a existência. 
Estou escrevendo minha auto-autoajuda. 
Nem deveria! 
Mulher já nasce sabendo voar.

12 de junho de 2019

Pra gente se desprender

É, não deu. 
Estou quebrada. 
Tem uma música em looping no meu radinho de pilha. 
Estou torcendo pra acabar, a pilha, a música, 
Porque minha cabeça anda sem freios no imaginário. 
Ontem fui tão longe que nem sabia voltar. 
Na verdade, se eu pudesse, queria dizer que 
Meu breve livro de aventuras foi atualizado com sucesso. 
Você transformou coisas. 
Quando o mundo apagar, ninguém lembrará mais. 
Então, escrevam no livro do universo: ele chegou e inventou dias bonitos. 
Isso importa? 
Isso importa (pra mim). 
Obrigada.

27 de abril de 2019

Sobre a impossibilidade de controle ou o desejo por leveza

Das piores manias minhas 
É querer a perfeição de tudo. 
Das pessoas. 
De mim. 
No fim da história, nem eu 
Nem ninguém consegue, 
Bate a bad, 
Estou sempre só. 
Uma velha imperfeita, solitária, 
Cheia de gatos, 
Será sempre uma opção para o futuro.

6 de abril de 2019

Sobre (sob) lençóis.

Tá bom. 
Sou louca mesmo, admito. 
Penso coisas improváveis nas horas mais inadequadas. 
Daí vou desenhando um rascunho até seu coração. 
Tenho pontes de lugar algum, 
Ruas sem endereço. 
Palavras deságuam da boca sem filtro 
- Meu deus, o que disse? 
Foi maluco, eu sei. 
Mas tão amoroso é meu amor. 
Você não tem a dimensão 
Do tanto que posso acolher nós dois. 
Roubo seu lençol de noite 
Para tê-lo por perto, tentando pegá-lo de volta. 
No meu mundo perfeito existem dois lençóis diferentes e gigantescos para cada um, 
mas na nossa realidade a gente divide. 
Eu gosto de estar no mundo contigo 
Por mais que seja difícil às vezes. 
Por mais que dividir não seja meu forte. 
E tem dias que você me ensina 
E tem dias que eu te ensino. 
No meu universo fantástico, boto a toalha para tomar chá, 
Então você chega com seu café preto sem açúcar, 
Trazendo mil saídas para os problemas da vida. 
Você é meu Gato de Cheshire, 
Eu, sua Alice. 
E essa é nossa metáfora (brega) de amor. 
Mas não importa: eu te amo.

10 de março de 2019

Para o maior coração encontrado na face desta Terra

Querido cúmplice: 
Queria que soubesse dos jardins destruídos, 
Dos animais machucados em batalha, 
Das tempestades. 
Leva tempo para arrumar a casa 
Novamente 
Mas estou disposta. 
A disposição é meu melhor presente. 
Gostaria que ficasse por tempo indeterminado.

7 de março de 2019

Sobre ter um estalo às 5 da manhã

Meu sangue volta para a terra. 
Meu aprendizado volta para meus alunos. 
A vida é um eterno devolver-se. 
Assim como o monociclo tem como regra principal o movimento, 
A existência tem a gratidão.

21 de fevereiro de 2019

Meio-dia

A Esfinge das aulas de leitura atravessou meus pensamentos. 
É interessante como o fora reflete o interno milimetricamente. 
São enigmas, à porta de Tebas, meio-dia. 
É meu medo da travessia. 
Mulher, águia, leão, serpente, compõem meu coração. 
A resposta também sou eu.