24 de novembro de 2011

2012:

 andar de montanha-russa, pular corda, fazer cócegas em crianças, sair na chuva, usar um vestido antigo com um toque novo e me apaixonar, porque ser poderosa está dentro, na essência; e a renovação de uma mulher acontece feito flor, desabrochando bem bonito tudo que cresce ao redor dela.

10 de setembro de 2011

Das ironias

Encontrar um amor bonito, que faz crescer, saudável... é sorte. Pura sorte. Viver bem está além disso. É como ganhar na loteria. Fazemos planos, mas poucos são escolhidos (e não venha me dizer que esse monte de casal é premiado! quantos passam por rico sem ter onde cair morto!).

24 de julho de 2011

não solta da minha mão?

Eu me compadeço diante do talento desperdiçado.
Da canção silenciada.
Das porcarias do mundo vendidas livremente e consumidas às pressas.
Eu me compadeço do ‘Show business’ que valoriza fracasso e projeta destruição.

Penso que um dia a arte de uma pessoa vai valer mais do que suas fraquezas.
Que mãos serão estendidas até o último fio de esperança.
E haverá mais compaixão aos esfomeados de amor.

Porque somos, inevitavelmente, irmãos flutuando nesse imenso vazio, atados por cordões invisíveis.
Se você cai, leva consigo a parcela de humanidade que ainda me resta.
E resta tão pouco, tão pouco...

18 de junho de 2011

para ela (que está crescendo)

Minha pequena Laura,
você é do tamanho certinho para o meu colo.
Esteja nele sempre, feito amuleto,
Para guiar-me nesse mundo
Tão grande
Tão triste sem sua existência.
E saiba que serei sempre sua mãe postiça
Porque um encontro de almas assim é digno de livro.


Minha aluna que me ensinou mais do que aprendi a vida inteira:
seu amor brotou raízes para fora de mim.

E cresceu e ficou maior que nós duas.
Não conte a sua mãe das minhas fraquezas,
Do tanto que você foi paciente comigo.
Ela acredita que te curei!
Mas um dia vai descobrir
Que você vive e floresce sem minha presença,
Mas eu não consigo sem a sua.


Obrigada por dividir comigo seus 7 aninhos.
- Foi uma dádiva.
Um beijo, saudoso até o último fio de cabelo.

Tia Pri

1 de maio de 2011

Oração para amanhecer

Traz pra mim todos que estão longe
no céu
ou na Terra
e me conforta
na saudade imensa que a vida desaba em mim.
Que meus braços continuem abertos
na imensidão escura,
nesses campos distantes de vales perdidos.
Que meus braços continuem esperando
o amor
sem desistir
e a transição desse mundo não seja nevoeiro eterno
para que eu possa continuar remando até o reencontro.


(E ainda tenha beleza para sorrir).
grita
porque ele é você.
e você
sabe todas as saudades
as dores
e o medo de ser você.
Quando as mãos viram pedras
e a tinta da caneta não sai
é a hora do fim
ou da estrela?

2 de janeiro de 2011

Vinte e cinco.

Amigos:
minha poesia não vem aqui porque está esparramada nas superfícies.
Mas amanhã, véspera de cumpleaños
quero abrir uma caixa antiga de qualquer coisa e chorar.
Porque faz tanto tempo que não faço isso e temo esquecer.
Quero abrir cirurgicamente cantos que deixei de entoar.
Sempre tenho, sempre temos,
Uma canção aprisionada esperando pelas pautas.


Escrever aqui sumiu de mim, mas alguma poesia prevalece
pelos caminhos tortuosos, ou magníficos que vejo.
Sei que tenho mãos dadas as minhas
e quero seguir junto, unida por cordões amorosos.
Crescer rasga a gente por dentro, sabe?
Mas também glorifica.
Quando as badaladas do relógio tocarem vinte e cinco vezes,
vou estar de cabeça erguida e olhos lacrimejantes.
A mesma menina da infância, medrosa e sonhadora no estômago.
Mas agora uma adulta corajosa e idealista para adormecê-la
nas hora que é preciso saltar.


E é com vocês, amigo queridos, que fecho os olhos e aproveito os sopros divinos.
Obrigada por misturarem suas vidas na minha. Esse aniversário é de vocês também.


Um beijo,
Prih.
type='text/javascript'/>