28 de agosto de 2016

Das que não foram ditas.

Pequena, você foi umas das melhores coisas da vida. Não ficamos juntos, mas meu amor está. Compreende isso? É muito além da prisão corpórea, tenho tesão no seus versos livres, no seu jeito meigo de existir ao contrário. 
Aquela vez tive medo de te magoar e fugi. Fui covarde. Sei que encheu cada minuto até a dor ficar bonita, porque esse é seu maior dom: tornar suportável a máquina do mundo. 
Por favor, me livra da culpa de não ser seu companheiro da vida, não encher seu cabelo de flor, não te levar ao altar. São muitos nãos para nós dois, porém, um dia, vamos sentar pra conversar e tudo fará sentido, prometo. 
Enquanto isso vai amaciando a existência e sendo insuportavelmente feliz?
Um abraço cheio de silêncios.

Nenhum comentário:

type='text/javascript'/>