29 de janeiro de 2009

Às crianças.

Desculpem se não estarei lá.
Eu queria estar.
Essas coisas de adulto me confundem também.
Obrigada por aceitarem minha péssima memória
pra cantigas infantis!
E me lembrarem o essencial, várias vezes.
Espero encontrá-los por aí um dia
tão meus como se nunca os tivesse perdido.
Pois sempre serei de vocês.

Indiferente à distância que se acomodou nos meus braços.

22 de janeiro de 2009

Sobre depois do fim.

Existe um estado
muito muito distante
onde os sapos moram dentro das moscas.
Pernas de ganso nascem das águas
e os relógios quebram-se todos.
Existe um lugar que mora na gente
e morar nele é proibido.
Onde os cavalos flutuam em cimas das casas
E as casas flutuam em cima das gentes
E as gentes nunca morrem.
Vou voltar àquelas terras
Assim que abraçar o mundo.
Quantos tios, pais, avós me esperam.
Então não choro mais.
Porque lá os relógios quebram-se todos.


Porque, mesmo assim, eles esperam.

17 de janeiro de 2009

E depois...

Ainda dói hoje.
Vai doer menos amanhã.
Vai doer bem menos depois de amanhã.
E depois e depois e depois

- é manhã.

10 de janeiro de 2009

- Ficar 'de lado' dói muito. E não sei se dá pra colar os caquinhos mais uma vez.

:(



{O bom daqui é que posso entristecer baixinho sem ele saber}

8 de janeiro de 2009

Procura-se um amigo.

Busco um amigo para segurar mãos na tempestade, sabendo meu incontrolável medo dos trovões. E abraçar com o corpo inteiro, porque cansei de ruínas.

Perdoe o excesso de proteção: cuidar é meu verbo preferido.

6 de janeiro de 2009

Começo.

Hoje o céu me abraçou tão azul.

Fiquei sem argumentos.

Fim.

O que mais me dói nele
É a falta de dor.
É o sorriso tranquilo
De quem nada sofreu.
O que mais me dói
É ver o relógio quebrado
E o calendário sem azul.
Vai passar, eu sei,
mas vou entristecer um pouco.
Não tenho medo de sofrer o que preciso
para depois subir meus olhos
E seguir.
Vou chorar
até alcançar os espaços que restaram
Que restam?
Já nem sei mais.
Vai ser difícil me reinventar sem você
graças a essa súbita falta de criatividade.

Vou me deitar agora:
Os pés, as pernas juntas.
Os braços sem desejos.
Você vai ler meu coração antes de mim.
No muro
da parede do quarto
Subitamente fechado,
Nem vivo, nem morto:

Eterno exílio entre dois mundos.

3 de janeiro de 2009

Conclusões:


1. Sem ajudarmos uns aos outros andaremos em círculos infinitamente.

2. Declarar o amor por alguém é como respirar. Você precisa expor sentimentos para que eles não encham seus pulmões e te tornem pesado demais.

3. A beleza de uma pessoa não está nos olhos. É alguma coisa que emana deles. É a capacidade de entrar na sua alma e arrancar ervas daninhas com delicadeza.

4. Você vai se apaixonar. Vai querer perto, bem perto. Vai se horrorizar com tamanhos defeitos. Vai perdoar milhões de vezes e quando perder a conta, vai entender parte do mistério.

5. Pai e mãe são responsabilidade nossa, assim como fomos deles um dia. Pai e mãe são frágeis, tem medo do escuro e precisam de histórias para dormir.

6. Você pode ajudar o mundo de muitas maneiras. Todos têm dom para alguma coisa, desde criança sabemos; mas disseram que ‘não dá dinheiro’.

7. Sua marca é aquilo que faz as pessoas sorrirem ao pensar em você, numa hora improvável. São pontos de luz para ajudar na travessia do caminho.          

1 de janeiro de 2009

Vídeo de aniversário!!!

- 23 anos!

:)


type='text/javascript'/>