22 de janeiro de 2009

Sobre depois do fim.

Existe um estado
muito muito distante
onde os sapos moram dentro das moscas.
Pernas de ganso nascem das águas
e os relógios quebram-se todos.
Existe um lugar que mora na gente
e morar nele é proibido.
Onde os cavalos flutuam em cimas das casas
E as casas flutuam em cima das gentes
E as gentes nunca morrem.
Vou voltar àquelas terras
Assim que abraçar o mundo.
Quantos tios, pais, avós me esperam.
Então não choro mais.
Porque lá os relógios quebram-se todos.


Porque, mesmo assim, eles esperam.

Nenhum comentário:

type='text/javascript'/>