23 de novembro de 2016

A primavera das lagartas


Minha aluna chegou queimada de sol, descascando no rosto. Ela ficou tímida e não queria entrar na escola, muito menos na sala. Daí fiquei pensando em quantas vezes me privei de algo por não achar minha aparência boa o suficiente. O corpo de verão, a calça da moda, o cabelo que não colaborava, sempre existiram muitas pedras no caminho da alegria.
Quando uma pessoa próxima adoeceu, caiu a bigorna da urgência sobre mim. Perder oportunidade de experimentar, brincar, rir sem culpa; perder a presença das pessoas um pouco mais, mais um dia, uma vez mais, é sem volta.
Os dias ensolarados voam (o tempo anda pra frente), porém pretendo agarrar todos os outros que derem sopa!
Peso, roupas, rugas, fios brancos, 'bad hair days' não me paralisam mais porque vou sorrindo abre-alas por onde quer que eu vá: esse é um jeito de embelezar tudo.
Quanto a pequenina do começo da história, acabou chegando perto. Eu lhe disse que lagarta precisa descascar pra virar borboleta e ela entendeu. As crianças entendem melhor que a gente.

Nenhum comentário:

type='text/javascript'/>