25 de junho de 2016

Minha voz é minha bandeira. 
Às vezes ela gasta, cala, trava, revolta 
E se esconde de volta no corpo. 
Daí eu escrevo.

Nenhum comentário:

type='text/javascript'/>