13 de março de 2010

Venho brindar, amigos, minha libertação.
Era um passado que não passava, uma mania de reinventar em moldes arcaicos.
Ergo meus impérios diante de mim sem que para isso utilize tijolos arrogantes. Reino sob pulsos livres e ares carinhosos.
É sono inteiro, completo e merecido, com chuva no quintal:
- Brindemos, pois.

3 comentários:

Ilmaralina disse...

Lindona,


Passei aqui e adorei o que vi, li e senti. Teu cantinho é de delicadeza pura! Um abração!

Sylvia Araujo disse...

Tim Tim!
E viva o bem amar a si.

Meubeijopravocê

Priscila Machado. disse...

Eita, carinho bom!
:)

type='text/javascript'/>