21 de julho de 2018

sobre o romance que não cresceu

Imaginei você chegando em casa com flores apressadas dos canteiros alheios. Imaginei a gente numa tolha de piquenique colorida deitados um sobre o outro, em revezamento amoroso. Imaginei você contando seus planos acadêmicos e parabenizando meu último artigo sobre a linguagem secreta dos passarinhos. Só que daí abro os olhos... Não tem nada disso, só uma realidade estéril, sem flor, nem toalha, nem linguagens secretas. O mais dolorido é a passagem sob o rio das expectativas, porque ele nunca matou ninguém. Feito Prometeu acorrentado, somos obrigados a levantar todo dia e acreditar novamente.
Estou cansada.

Nenhum comentário: