6 de setembro de 2014

Só zinha.

A madrugada é silêncio. 
É dela minhas melhores ideias 
E toda minha solidão. 
Ela ridiculariza minha vida 
Em cabides de exposição 
(o rei está nu!). 
Faz da rima 
Um esconderijo 
De versos livres 
Que essa hora, 
acordariam tudo. 
Estragariam tudo. 

O silêncio é lei. 
Então eu rimo baixinho.

Eu sou escuridão. 
A escuridão é madrugada. 
A madrugada sou eu. 
E onde está você 
- pra segurar a minha mão?

Nenhum comentário:

type='text/javascript'/>