7 de julho de 2013

O sorriso ou Sobre os segundos raros de liberdade

Das coisas mais bonitas que eu fiz
Estava com meu coração
Das coisas que ainda sobrevoam minha cabeça
Estava agarrada nele
Longe dos palpites
Que pintaram em mim
Longe e tão perto
Do meu coração.

Dos poucos momentos
Que senti êxtase e loucura
Misturados em mim
Estava dentro do meu coração, diluída
Dos momentos todos
Do que vou contar aos netos
Dos saltos
Da mágica que acontece no arroz com feijão de todo dia
Foi do sangue dele que eu bebi
Enfrentando tudo
E todos

E por estar tão encorajada de espírito
Pude ver a cara de Deus
sorrindo pra mim. (...)



Foi meu maior poema de amor.


Nenhum comentário:

type='text/javascript'/>