20 de fevereiro de 2010

Quem sabe essa mania de engolir sapos ainda não me rende uma fila de príncipes?

16 de fevereiro de 2010

Líquida

Quando os Deuses dividirem as funções novamente,
estarei na fila dos oceanos,

para refletir a lua, tal qual o imaginário dos amantes.
Quero ser azul, plácida e azul.
Sem fim, nem começo, só uma imensidão
entregue ao ritmo encantado do mundo.

Desejo ardentemente uma paz líquida

feito o útero que não volta mais.
Se tem uma coisa que a idade ensina é tirar carrapato das costas. Isso é uma metáfora. E essa é minha aposta de felicidade a curto prazo.

6 de fevereiro de 2010

São elas, as crianças, que beijam meus machucados pra sarar.
Não poderia ser ao contrário.
Elas acreditam na cura muito mais que eu.
type='text/javascript'/>