8 de março de 2008


Compra-se cheiro de chuva
Pedacinhos do fim de semana
Sua cara zangada
(Ou de quem não está entendendo)
Compra-se tudo aquilo que não está à venda
Música sussurrada
Cheiro de feijão novo
Suas mãos enroladas na minha cintura
Declarações amorosas sem ser
no terrível engarrafamento da cidade cinza
Compra-se criança barulhenta
Um dia inteiro só pra fazer arte
Você naquela camisa verde
(Amassada nos lugares certos)
Sorriso de pai
Perfume de mãe
Dias raros com família junta
Sua apresentação no final de ano
Da escola
Você esquecendo a fala e olhando pra mim...

Compra-se tudo que essa merda de dinheiro nunca vai comprar.
E o mundo só é bom porque elas não estão à venda.



Nenhum comentário:

type='text/javascript'/>