29 de dezembro de 2008

Desejar quando chega no fim
e no início é fácil.
Queremos carros, casas,
um cabelo de outra cor.
Cremes,
e roupas lindas.
Precisamos urgentemente ser amados,
fazer regime.
- Novos amigos, novo emprego, nova família.

Os desejos vão crescendo mais que nós mesmos:
monstros familiares...
Esperam de manhã nos armários,
dentro das caixas,
espalhados pela rua.
Estão por perto, tomam tempo e cuidado.
Enquanto desejamos desenfreadamente, nossos filhos crescem.
Nossos pais envelhecem,
tão perto...
- Tão perto.
O mundo escapa das nossas mãos
e estava tão perto...


Eu não quero nada hoje.
Não quero nada fora de mim:
desejo pra dentro.
Ser mais bonita, por dentro.
Curar minhas dores,
meus medos, aqui dentro de mim.
E depois, quando querer pra fora,
quero para os outros.
O bem.
A paz.
O amor.
Só isso.
É uma questão de direcionar os desejos
para caminhos mais verdes.
E bonitos.

25 de dezembro de 2008

Oração II

À mãe, por curar dores sentimentais.
Ao pai, por construir um lar e me incluir nele
todos os dias do ano.
Ao irmão, por dividir, amando nas entrelinhas.


- Deus, abrace meu coração:
ele dorme do lado de fora.

14 de dezembro de 2008

Oração.

Essa noite vou desenhar
um círculo de giz
no chão do meu quarto
e dormir do lado de dentro.
É só a maneira tímida
que encontrei de rezar.

10 de dezembro de 2008

Como dizia minha vó:

" O TEMPO passa que a gente
nem se apercebe..."

3 de dezembro de 2008

pra variar, CHOVEU.


e meus 'pequeninos' do maternal
acreditam que meu guarda-chuva
me dá o poder de voar.
type='text/javascript'/>