29 de dezembro de 2008

Desejar quando chega no fim
e no início é fácil.
Queremos carros, casas,
um cabelo de outra cor.
Cremes,
e roupas lindas.
Precisamos urgentemente ser amados,
fazer regime.
- Novos amigos, novo emprego, nova família.

Os desejos vão crescendo mais que nós mesmos:
monstros familiares...
Esperam de manhã nos armários,
dentro das caixas,
espalhados pela rua.
Estão por perto, tomam tempo e cuidado.
Enquanto desejamos desenfreadamente, nossos filhos crescem.
Nossos pais envelhecem,
tão perto...
- Tão perto.
O mundo escapa das nossas mãos
e estava tão perto...


Eu não quero nada hoje.
Não quero nada fora de mim:
desejo pra dentro.
Ser mais bonita, por dentro.
Curar minhas dores,
meus medos, aqui dentro de mim.
E depois, quando querer pra fora,
quero para os outros.
O bem.
A paz.
O amor.
Só isso.
É uma questão de direcionar os desejos
para caminhos mais verdes.
E bonitos.

Um comentário:

Gerlaine disse...

As maiores mudanças acontecem do lado de dentro, afinal é de dentro que se vai mudando até conseguir mudar o que há do lado de fora...
É de dentro que vem os desejos, e de dentro que vem a vida.

type='text/javascript'/>